23/07/14

em Deixe um comentário

Supere o medo

Temos medo de errar, de fracassar, de tomar decisões importantes e nos frustrar. Quem se une a Deus não age a partir do medo, mas avança apesar do receio que tem, porque sabe que o Senhor não lhe deixará faltar coragem para enfrentar os desafios.
“Somos afligidos de todos os lados, mas não vencidos” (2Cor 4,8).
Jesus, eu confio em Vós!
Autora: Luzia Santiago


Autora: Lua



19/07/14

em Deixe um comentário

Dicas para controlar a ansiedade

Combata a ansiedade com a confiança em Deus

Gosto de olhar fotos antigas e tentar me recordar da ocasião em que elas foram tiradas, pensar no que eu estava vivendo naquele momento e fazer um paralelo com o que mudou daquele dia até hoje. Outro dia, vi uma dessas fotos que me fez refletir uma questão: como eu me preocupava com coisas desnecessárias!

Era o batizado de uma sobrinha há uns quinze anos. Na foto, quase todos estavam alegres, descontraídos e voltados com ternura para aquele pequeno ser vestido de branco que acabara de se tornar cristão pelas águas do batismo. Eu, ao contrário, apareço na foto tão tensa que até minha testa estava franzida. Comecei a pensar se havia alguma razão para eu estar assim tão preocupada na ocasião, e percebi claramente que não. Recordo-me de que foi me pedido apenas para ajudar a posicionar as pessoas na foto e pronto. Só isso.

Eu me preocupava demais com coisas extremamente desnecessárias, e a foto fez com que eu me recordasse disso. Se você me perguntar se, hoje, eu continuo me preocupando com as coisas, a resposta será sim, com certeza! Mas em uma proporção muito menor, pois tenho aprendido a confiar mais em Deus, e, à medida que cresço na confiança, diminuo na preocupação. Na verdade, uma das coisas mais difíceis na vida são as preocupações que temos. Seja com nossos filhos, nossos amigos, nosso cônjuge, nossos pais, nosso emprego e tantas outras coisas que fazem parte de nossa vida. Mas me diga: quem, até hoje, conseguiu resolver alguma coisa à custa de preocupação?

Bem sabemos que o fato de nos preocuparmos não resolve nada; na verdade, o que mais queremos, nesta vida, é deixar de nos preocupar, só não sabemos como fazer isso. Mesmo sabendo que, amanhã, talvez, já tenhamos nos esquecido de quais eram as preocupações de hoje, conscientes de que nossa vida pode deixar de existir a qualquer momento, achamos impossível fazer com que a nossa mente viva tranquila sem nos preocuparmos. Daí, vem a questão: afinal, será que existe algo que possamos fazer para nos preocuparmos menos e darmos um basta na ansiedade?

Lendo os escritos do padre Henri Nouwen, descobri que existe, sim, uma solução. Ele explica que se é verdade que não podemos mudar seja o que for pelo fato de nos preocuparmos com a situação, o remédio é treinarmos nosso coração e nossa mente no sentido de não perdermos tanto tempo e energia com a ansiedade. Ele também nos mostra o caminho e nos recorda as palavras de Jesus: “Procurai, antes de tudo, o Reino de Deus e sua justiça e tudo mais virá por acréscimo” (Mt 6,33).

Compreendi com isso que, quanto mais tenho me lançado na confiança em Deus e priorizado a ação do Reino d’Ele em minha vida, mais serenidade experimento mesmo em meio às lutas, e a transmito também aos outros. Essa mudança está registrada claramente em minhas fotos, como pude perceber no álbum de família. Como é interessante olharmos para nossa história e percebermos o quanto Deus vai nos moldando pela força de Sua graça! Já parou para pensar sobre isso? Desejo que, no dia de hoje, o Senhor também o viste e fortaleça sua confiança n’Ele, concedendo-lhe mais serenidade e alegria no viver o dia de hoje como ele é: um grande presente de Deus.

Estou unida a você.

Autora: Dijanira Silva

Fonte do texto: http://formacao.cancaonova.com/biblia/estudo-biblico/como-controlar-a-ansiedade/

Autora: Lua



16/07/14

em Deixe um comentário

Amar-se para amar…

O mais fascinante no cristianismo é que Cristo não apenas nos salvou, mas também nos ensinou a amar. Ensinou-nos a sermos pessoa. Amar é a grande missão que temos que viver, e nisso está o processo que nos torna gente, ser humano e pessoa de verdade. Salvou-nos amando! E amando até o fim!

Criados no amor e para o amor, esta é a nossa essência. Sim! Aquilo que temos de mais profundo, que nos diferencia de todos os outros seres criados. E não dá para ser caricatura, temos que ser de verdade e pra valer.

Por muito tempo, eu parava no segundo mandamento e pensava: “Tá, o segundo mandamento diz: ‘Amar o próximo como a si mesmo’, mas tem tanta gente que se ‘ama’ de forma tão ruim que se for amar os outros será um desastre total e beirará a um filme de serial killer com direito a muito sangue dentro e fora da tela”.

Esse meu pensamento parece estranho, mas sem dúvida há muita gente que não tem amor próprio. Ao mencionar isso, minha intenção não é fazer apologia ao narcisismo, e sim chamar a atenção para nos cuidarmos, nos possuirmos mais, e assumir que somos presente, dom. Quando nos esquecemos disso, nos ferimos muito e até mutilamos o belo em nós, o lindo que Deus fez.

Há quanto tempo você não se olha no espelho e diz: “Eu te louvo porque me fizeste maravilhoso; são admiráveis as tuas obras; tu me conheces por inteiro” (Sl 139,14). Sim, este salmo é pra você. Cara, Deus te fez. Ele te criou. Você é um presente, um dom. És maravilhoso!

Não se trata de uma filosofia barata de auto-ajuda que cita palavras do tipo: “Pense positivamente que acontecerá”, cujo objetivo é massagear seu ego e ganhar seu aplauso. Não, absolutamente não. É nossa mais pura verdade. Se não nos amamos, tornamo-nos vítimas para qualquer um entrar e fazer o que bem quiser conosco! Não sou PRAÇA PUBLICA. Você não é praça pública. (No livro Santos de Calça Jeans há um capítulo que fala só sobre isso. Que tal lê-lo?).

Portanto, se não nos amarmos, será impossível amar o outro e trilharemos um caminho de completa frustração. Jesus sabia muito bem disso, por isso criou o mandamento: “Amar o outro como a si mesmo”. Em outras palavras, é necessário se amar para então ir em direção ao outro e amá-lo. Caso contrário, nos machucaremos; o vazio será um resultado e a infelicidade nossa companheira de estrada!

Trecho do livro ‘Quero um Amor Maior’ de Adriano Gonçalves

Fonte: http://blog.cancaonova.com/revolucaojesus/2014/06/30/amar-se-para-amar/

Autora: Lua



09/07/14

em Deixe um comentário

O amor verdadeiro…

Segundo São Paulo, o Amor é paciente, é bondoso. Não tem inveja. Não é orgulhoso. Não é arrogante. Nem escandaloso. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acabará.

Sem dúvida, São Paulo sabia da dificuldade em definir o amor, e que isso podia beirar à impossibilidade. Então, ele se desfaz da necessidade de definição e segue para a demonstração.

Quando falamos do amor como uma demonstração, queremos dizer que ele é ação, envolvimento, movimento, expressão. “O amor é… o amor faz… o amor não é… o amor não faz isso ou aquilo”. Ele não fica sentado, cochilando, de braços cruzados, deixando-se ser servido em uma rede na sombra e bebendo água fresca. Está sempre disposto e pronto a agir. Não é passivo nem indiferente. Ele não passa despercebido pela vida. Ele gera movimento e mexe com quem está quieto. O verdadeiro amor é demonstrativo, e não estéril; é vida em movimento. É paciência e espera. É estrada longa, mas com um final feliz. É brilho nos olhos e sorriso “sem graça” nos lábios, sempre com gosto de felicidade!

“A arte das artes é a do amor… O amor é uma força da alma, que a conduz como por um peso natural ao lugar e ao fim que lhe é próprio”1, disse o monge Guilherme de Saint-Thierry. Força que quer bem e quer o Bem!

O amor não é lucro de retorno imediato; é um investimento a longo prazo. O verdadeiro amor não tem nada de superficial. É força da alma; algo que nasce dentro e quer ser exteriorizado. Ele é duradouro, autêntico e forte. Não cede à tentação de procurar saídas fáceis ou atalhos na vida. Não é egoísta, por isso não busca o próprio interesse. O verdadeiro amor não se basta, não se fecha em si mesmo. Ele passa por duras provações, como mencionado em Coríntios 13: Paulo nos dá o segredo para provarmos se nosso amor é verdadeiro.

Quando ele fala do amor tudo, faz isso, tudo faz aquilo , está nos dando a medida certa para provarmos “o” e “do” amor. Ele afirma que o verdadeiro amor deve passar pela prova do Tudo. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Não existe meia medida; é tudo! Tudo é tudo!

Se não temos a coragem de provar o amor, ele será apenas um sentimento que mexe com a gente, e nunca um motor que acelera nossa vida na aventura de ser feliz!

 Em De natura et dignitate amoris (A natureza e a dignidade do amor), 1, PL 184, p. 379.

Trecho do livro ‘Quero Um Amor Maior’ – Adriano Gonçalves


Fonte:http://blog.cancaonova.com/revolucaojesus/2014/06/27/o-amor-verdadeiro/

Autora: Lua



03/07/14

em 7 comentários

Vença o medo diante das escolhas

A juventude não pode ter medo de fazer suas próprias escolhas

Muitas vezes, ao partilhar algo com os jovens, que, assim como eu, se sentem chamados a uma vocação, escuto sempre esta frase: “Eu tenho medo de errar, de não ser esse o lugar que Deus quer para mim!”. Este é um questionamento que sempre aflige o coração daqueles que estão descobrindo sua vocação.

Olhando para a minha curta caminhada vocacional, percebo que eu também me fiz esse questionamento, e que ele nada mais é do que o medo disfarçado de preocupação. Isso mesmo: medo.

O jovem tem medo de decidir-se por algo, de tomar uma decisão definitiva, pela qual somente ele vai arcar com as consequências. Muitos buscam pessoas, palavras e sinais para confirmar a sua vocação, o que, em muitas situações, pode significar o desejo de responsabilizar alguém pelas suas atitudes. O jovem tem medo de decidir-se por sua vida.

Esse medo começa a partir do momento em que ele percebe que está crescendo, amadurecendo, comprometendo-se. É neste momento que, na grande maioria das vezes, Deus entra na vida dele e faz o chamado. Agora ele tem de se decidir!

Vivemos em uma sociedade que já não acredita nas escolhas definitivas, não crê em tudo o que é para sempre. É nessa sociedade que os jovens hoje se veem.

Mas há um caminho! Deus, quando escolhe alguém, o faz de forma definitiva. A escolha d’Ele independe do seu querer, do seu medo. Claro, é Ele quem o escolhe, mas é você quem Lhe dá o ‘sim’. No entanto, mesmo que você fuja, corra, o chamado vai sempre estar no coração do Pai. Se você mudar de ideia, Ele estará pronto a conquistá-lo novamente.

Não tenha medo de se arriscar no caminho que leva à vontade de Deus. Não tenha medo de errar, de perceber, mais na frente, que não era bem aquele o lugar que o Senhor havia preparado para você. Deus vai aproveitar-se de todas as suas experiências para fazê-lo crescer. Se não for aquele o ponto de chegada, durante a corrida Deus vai lhe mostrar o desvio. Não tenha medo de se arriscar!

Independente da vocação – matrimônio, sacerdócio, vida consagrada ou até mesmo uma vocação profissional –, no mundo sempre existirão dois tipos de pessoas vocacionadas por Deus: as que se arriscaram e descobriram a verdade do Senhor para elas, e as que nunca deram passos e ficaram sempre se questionando: “E se eu tivesse dado passos nesta direção?”. Você é quem escolhe que tipo de pessoa quer ser.

Medos todos os temos. Eu os tive. Eu os tenho. Mas, cada vez que esse medo salta em meu coração, eu me lembro de Quem me chamou. Lembro-me de que foi Deus quem fez o chamado, e Ele pode cuidar de tudo, basta que eu permita e dê passos na fé.

O segredo é arriscar-se! Ninguém erra por buscar a vontade de Deus. Se você se lançar, tudo o mais Ele fará!

Deus abençoe a sua vocação!

Autoria: Renan Félix (é bacharel em história, missionário e seminarista da Comunidade Canção Nova.)


Quando existe a Fé em Deus as nossas escolhas serão sempre abençoadas.

Autora: Lua